Pelotas Pública


O chimarrão
outubro 14, 2009, 18:14
Filed under: Beleza Pelotense | Tags: , , ,

ChimarrãoUma das mais famosas e saborosas tradições gauchescas é o chimarrão, também chamado de mate, aqui no sul. O costume, passado de geração em geração é apreciado por muita gente, tornando a bebida típica nas horas de laser, no ambiente de trabalho, nas salas de aula e onde mais se tiver um grupo de amigos.

A lenda Guarany

Sua origem é muito discutida, mas o professor Alcides Gatto, da UFSM conta a seguinte história:

“Um dia, um velho índio, cansado das andanças de sua tribo nômade Guarany, preferiu ficar na tapera e não se mudar com o resto da tribo. Sua filha mais nova, Jary, com o coração partido, resolveu ficar com o pai, amparando-o até que a morte o levasse à paz do Yvy marã ey – “terra sem males” da mitologia Guarany.

Um dia, um pajé de outra tribo encontrou-os e perguntou a Jary o que ela queria para ser feliz. A moça nada pediu, mas seu pai pediu renovadas forças para poder seguir adiante e levar Jary ao encontro da tribo.

Erva mateO pajé entregou-lhe uma planta muito verde e perfumada de bondade Ensinou-o que plantando, colhendo as folhas, secando-as ao fogo e triturando-as, poderia colocá-las num porongo e acrescentar água quente ou fria. ‘Sorvendo essa infusão, terás nessa nova bebida uma nova companhia saudável mesmo nas horas tristonhas da mais cruel solidão’. O ancião se recuperou, ganhou forças e viajou até o reencontro de sua tribo”.

Assim nasceu caá-y, mais tarde chamada de caiguá nome composto guarany que significa erva (caá), água (i) e recipiente (guá). Os espanhóis chamaram a bebida de cimarrón ou mesmo mati (cuia, na língua quíchua).

Os espanhóis e a disseminação do mate

Os soldados espanhóis que aportaram em Cuba foram ao México atrás da Cidade do Sol (do ouro da cidade, mais precisamente). Desbravando e pilhando tudo em seu caminho, em 1536 chegaram à foz do Rio Paraguay e ali fundaram a primeira cidade da América Latina, Assunción del Paraguay.

Nômades por natureza e com saudades de casa e das mulheres espanholas, estavam acostumados a grandes “borracheras” – porres e bebedeiras memoráveis. No dia seguinte, acordavam com uma ressaca proporcional. Mas eles perceberam que tomando um estranho chá feito pelos Guaranys, a ressaca era bem menor. Assim, o chimarrão passou a ser transportado pela região na garupa dos soldados espanhóis.

As margens do Rio Paraguay guardavam uma floresta de taquaras, que eram cortadas pelos soldados na forma de copo. A bomba de chimarrão que se conhece hoje também era feita com um pequeno cano dessas taquaras, com alguns furos na parte inferior e aberta em cima.

O chimarrão no Brasil

Os bandeirantes paulistas, durante suas missões de captura indígena, entraram em contato com a bebida Guarany e acabaram levando-a a São Vicente e o hábito do consumo se espalhou também pelas regiões das ‘Minas de Cuiabá e Geraes’, pois os tropeiros de gado e mulas, sempre retornavam com grandes carregamentos de erva a esses locais.

Esse grande sucesso provocou no Brasil – onde as propriedades tônicas e estimulantes do mate eram objeto de calorosos comentários – a curiosidade da Casa Real na Metrópole. Em 1720, o governo provincial da Capitania de São Paulo recebia a seguinte missiva real:

“… D. João, por graça de Deos, Rey de Portugual e dos Algarves, d’aquem e d’alem Mar, em Africa, senhor da Guinée…  – Faço saber a vós, Rodrigo Cezar de Menezes, Governador e Capitão General da Capitania de São Paulo, que ca se tem notícia que nas terras dessa Capitania ha herva a que chamão Congonha, e os Castellanos ‘La Provechosa’ [proveitosa]…. porque della se diz poder tirar grande utilidade: Me pareceo de alvitre ordenarvos envieis a este Reino a ordem do meu Conselho Ultrº [ultramarino] um caixão da dita herva com a receita da forma como se uza della…”

ErvaNuma Resolução Régia, proclamada em 22 de abril de 1722, o Conselho Ultramarino observa que a erva-mate, abundantíssima nas terras meridionais da colônia tem promissor comercio com as regiões do Prata. Nas entrelinhas desta resolução havia intenção por parte da Coroa Portuguesa da expansão territorial para o sul, coisa que efetivamente dentro em pouco se verificaria, com o povoamento do Rio Grande. Assim se inicia o comércio da erva-mate com os mercados do Prata.

FONTES:
http://www.das.ufsc.br/~emerson/chimarrao/index.html – como fazer um chimarrão (português e inglês)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guaranis – Sobre os Índios Guaranys
http://www.paginadogaucho.com.br/chim/ – História e Lenda Guarany
http://www.clubedasemente.org.br/mate.html – Sobre a erva-mate


2 Comentários so far
Deixe um comentário

eu acho chimarrao uma delicia nao sou gaucha ,mas a familia do meu marido é, eu tomo junto com eles e nao fico mas sem chimarrao.

Comentário por Paty

[…] Chimarrão. Canoinhas, SC, é considerada a capital mundial da Erva-Mate. Imagem da erva mate por Pelotas Pública. Texto Wikipedia Faça Download desta […]

Pingback por Erva Mate | Suco




Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: