Pelotas Pública


Azulejos portugueses
maio 13, 2010, 13:51
Filed under: Beleza Pelotense | Tags: , , , , ,

A zona litorânea do Rio Grande do Sul não foi a primeira a ser ocupada, mas a mais densamente povoada durante o século XIX. Ela caracterizou-se pelas áreas aluvonais do litoral, composta pela Lagoa dos Patos e Mirim e seus rios e canais adjacentes.

Desde o Tratado de Santo Idelfonso, as terras compreendidas entre o Oceano Atlântico e as lagoas Mirim e Mangueira, no sul do Continente Americano, chamadas Campos Neutrais formaram um cinturão desértico para proteção das duas coroas ibéricas. Por isso essa região caracterizou-se como “terra de ninguém”, alvo de bandoleiros, contrabandistas e estancieiros com seus peões, além do trânsito de tropas.

A então sesmaria de Pelotas era dividida em muitas estâncias, em sua maioria voltadas à pecuária, evoluindo posteriormente para a manufatura do charque. Para se ter uma idéia, em 1861 matou-se 470 mil cabeças de gado em Pelotas¹. Uma das maiores concentrações de exploração escravagista era feita na cidade.A história conta que o Canal Santa Bárbara era vermelho de sangue, bem como os escravos e o solo das fazendas.

Em Pelotas, no final dos Oitocentos, houve ascensão da produção do charque e o progresso econômico se fez sentir no núcleo urbano, iniciando uma fase de grandes manifestações artísticas, com grandes obras plásticas e arquitetônicas.

É sob este pano de fundo que inúmeros painéis em azulejo, pintados em Portugal, foram trazidos para Pelotas pelas ricas famílias da época. A cidade, que contém um dos mais bem preservados centros urbanos, é ricamente ornamentada com essas obras de arte.

Recentemente a fotógrafa e Artista plástica Rejane Botelho e a Doutor em História da Arte pela Universidade do Porto Ana Margarida Portela lançaram o excelente “Fatos que contam uma história de Portugal em Pelotas”, pela editora e Gráfica Universitária PREC-UFPel.

O livro conta com 176 páginas ricamente ilustradas e coloridas com fotos dos painéis e esculturas em cerâmica da cidade de Pelotas. Ele está à venda nas principais bancas de revistas da cidade e vale cada centavo investido.

Links relacionados:

“Elementos funcionais e ornamentais da arquitetura eclética pelotense: 1870-1931 – estatuária” (por Amanda Dutra; Ana Luiza Alves; Davi Domingues dos Santos; Jamila Lima Macedo; e Letícia Alves Pereira)

Instituto Portucale de Cerâmica Luso-Brasileira

Rejane Botelho (Agência da Arte – Pelotas)

Artefactos de cerâmica aplicados à Arquitectura do Romantismo em Portugal – Tese de Doutoramento em História da Arte

Fábrica de Cerâmica das Devesas – Património em risco

¹MAGALHÃES, Mário Osório. Opulência e Cultura na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul: Um estudo sobre a cidade de Pelotas (1860-1890). Pelotas: Edufpel, 1993.

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: